Europeus fornecem o mais exato modelo da gravidade na Terra

Dados enviados por satélite à ESA (Agência Espacial Europeia), durante dois anos, possibilitaram o estudo preciso da gravidade do planeta Terra de uma forma inédita.

Os cientistas agora detêm um dos mais exatos modelo geoide (protótipo mais aproximado do nosso planeta, visto que ele não é totalmente redondo) do lugar onde vivemos

A imagem foi divulgada nesta quarta-feira durante uma conferência em Munique (Alemanha) –para ver uma versão animada.

No estudo apresentado pela ESA, com imagens fornecidas pelo satélite Goce (sigla em inglês de Explorador da Circulação Oceânica e do Campo Gravitacional), considerou-se a gravidade do geoide sem a ação de marés e de correntes oceânicas.

O modelo serve como referência para medir a movimentação dos oceanos, a mudança do nível do mar e a dinâmica do gelo, o que pode abrir precedente para entender com maior profundidade as mudanças climáticas.

Além desses dados oceanográficos, também servirá para o estudo da estrutura interna do planeta –como os processos que levam à formação de terremotos de grande magnitude e que podem provocar danos devastadores, como aconteceu com o Japão no sismo de 11 de março.

Do espaço, é praticamente impossível para os satélites observarem a dinâmica dos tremores, visto que o movimento das placas tectônicas ocorre abaixo do nível dos oceanos.

Contudo, explica a ESA em seu site, os tremores costumam deixar um “rastro” na gravidade do planeta, o que pode ajudar a entender o mecanismo de um terremoto e, quem sabe, antecipar sua ocorrência.

http://www1.folha.uol.com.br/ciencia/896402-europeus-fornecem-o-mais-exato-modelo-da-gravidade-na-terra.shtml

Templo de sacrifícios humanos de 1.100 anos descoberto no Peru

Arqueólogos peruanos encontraram um templo de barro pré-inca de mais de 1.100 anos de idade e onde eram realizados oferendas e sacrifícios humanos na região de Lambayeque (norte).

“Neste templo de barro, eram celebradas oferendas materiais e sacrifícios humanos que eram costume do antigo Peru”, explicou Carlos Wester, chefe da expedição, acrescentando que sua equipe também encontrou mais de 30 túmulos de mulheres sacrificadas.

O templo de ‘Los Frisos’ foi achado em 2007 no santuário arqueológico Chotuna, situado perto de Lambayeque, mas seus trabalhos de escavação foram concluídos recentemente.

O templo, da cultura Lambayeque ou Sican, mede 32 metros de extensão e é composto por muros e pilares adornados com altos-relevos de animais, homens estilizados e seres antropomorfos.

A cultura Lambayeque ou Sicán surgiu em torno dos anos 700 a 750 d.C. e se manteve vigente até 1375, com seu apogeu entre os anos 900 e 1100.

Esta civilização rendia culto ao Senhor de Sicán, o personagem da cultura religiosa de maior prestígio do norte do Peru durante 600 anos.

Nova reconstituição do homem de gelo Oetzi é apresentada em exposição na Itália

Uma nova reconstituição da aparência humana de Oetzi, a famosa múmia congelada encontrada nos Alpes italianos em 1991, está em exposição a partir desta terça-feira (1º), no Museu de Arqueologia de Bolzano, para o aniversário de 20 anos da descoberta.

A obra é de autoria de dois artistas holandeses, Alfons e Adrie Kennis, que já haviam feito a reconstituição de um homem de Neandertal. O trabalho se baseia em resultados científicos e em projeções em 3D do esqueleto de Oetzi, enterrado na montanha há quase 5.300 anos, no início da Idade da Pedra, após ter, provavelmente, morrido em combate.

Os pesquisadores puderam, por exemplo, estabelecer que Oetzi, morto com cerca de 45 anos de idade, tinha olhos castanhos e não azuis como se acreditava anteriormente. Se ele tivesse vivido em nosso tempo, Oetzi usaria calçados número 36. Com 1,60 metro e cerca de 50 kg, ele estava na média dos humanos de sua época.

Com a evolução das técnicas, o Museu Arqueológico de Bolzano vai ainda modificar o método de conservação da múmia, preservada a uma temperatura de -6,5° C. Os restos vão também ser em breve tratados com nitrogênio para evitar sua deterioração.

Objeto de fascínio, Oetzi é também cercado por rumores de maldições: as mortes de várias pessoas que entraram em contato com ele, depois de sua descoberta em 19 de setembro de 1991. Entre elas, um casal de alpinistas alemães na geleira do Val Senales, alimentando este fenômeno.

O arqueólogo australiano Tom Loy morreu depois de começar a escrever um livro sobre Oetzi em 2005. Antes dele, um dos especialistas que havia analisado a múmia sofreu um acidente mortal quando estava indo para uma conferência sobre misterioso homem de gelo.

A exposição no Museu Arqueológico de Bolzano vai até 15 de janeiro de 2012.

http://noticias.uol.com.br/ultnot/cienciaesaude/album/1103_album.jhtm#fotoNav=14

Museu Nacional anuncia descoberta do maior dinossauro carnívoro do Brasil

O Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) anunciou a descoberta do maior dinossauro carnívoro do Brasil. Batizada de Oxalaia quilombensis, a espécie faz parte do grupo de espinossaurídeos, dinossauros com crânio alongado e espinhos que formam uma espécie de vela nas costas.

Acredita-se que o animal, que media entre 12 e 14 metros (do crânio à ponta da cauda) e pesava entre 5 e 7 toneladas, viveu há cerca de 95 milhões de anos, no litoral do Maranhão. Antes da descoberta do Oxalaia quilombensis, o maior dinossauro carnívoro brasileiro era o Pycnonemosaurus, que media 9 metros.

A espécie foi identificada a partir de um conjunto de fósseis, com partes do maxilar e dentes do dinossauro, encontrado em 1999 na Ilha do Cajual, no Maranhão. A identificação da espécie e a divulgação da descoberta, no entanto, demorou 12 anos.

Ele era o réptil dominante da Ilha do Cajual. E esse é um grupo de dinossauros que desperta grande interesse não só aqui no Brasil quanto lá fora, porque tem características diferentes de outros dinossauros carnívoros. E, por ter sido uma das estrelas do filme Jurassic Park, ele chama muita atenção.

O dinossauro brasileiro também é considerado o segundo maior espinossaurídeo do mundo, ficando atrás apenas do Spinosaurus aegyptiacus, identificado em 1915, no Egito. Duas espécies de espinossaurídeos já haviam sido descobertas no Brasil, na Bacia do Araripe: Irritator challengeri e Angaturama limai. O nome Oxalaia é uma homenagem à divindade africana Oxalá e quilombensis se remete ao fato de que a Ilha do Cajual já foi um quilombo, onde viveram descendentes de escravos.

Também foram anunciadas hoje, na Academia Brasileira de Ciências, mais três descobertas paleontológicas brasileiras. Entre elas está uma nova espécie de crocodiloformo (antepassado dos crocodilos) de 80 milhões de anos, chamado de Pepesuchus deisae. O crânio do réptil foi encontrado na Bacia Bauru, em São Paulo.

Outra descoberta foi o fóssil, de 7 milímetros, de um maxilar com sete dentes de um lagarto pré-histórico, ocorrida em Presidente Prudente, em São Paulo. A espécie batizada de Brasiliguana prudentis, que media de 15 a 20 centímetros, viveu entre 70 milhões e 80 milhões de anos atrás.

Também foi anunciada a descoberta de penas fósseis de dinossauros de 115 milhões de anos, na Bacia do Araripe.

http://noticias.uol.com.br/ultnot/cienciaesaude/ultimas-noticias/2011/03/16/museu-nacional-anuncia-descoberta-do-maior-dinossauro-carnivoro-do-brasil.jhtm