Por que os humanos andam sobre duas pernas?

Introdução

Durante anos, cientistas e filósofos refletiram sobre uma das maiores questões evolutivas da humanidade: por que os humanos andam sobre duas pernas? Temos quatro membros e nossos amigos macacos parecem se virar bem usando os quatro (fazendo o que é chamado de andar de quatro). Então, o que faz com que andar sobre duas pernas seja melhor? Ou, se não é melhor, por que fazemos isso afinal?

macaco

Os cientistas sabem que o bipedalismo foi uma das primeiras características que se desenvolveram nos antigos hominídeos. Um estudo publicado em julho de 2007, afirma que o bipedalismo humano se reduz a uma coisa: energia.

O estudo, realizado por três pesquisadores da Universidade de Arizona, Universidade da Califórnia, Davis, e Universidade de Washington, em St. Louis, examinou diferenças na locomoção em posição vertical entre quatro humanos adultos e cinco chimpanzés adultos. Os chimpanzés foram usados porque são os parentes atuais mais próximos dos humanos. De quatro a sete milhões de anos atrás, humanos e chimpanzés evoluíram de um ancestral em comum. Depois, eles se desenvolveram de maneira independente.

Os pesquisadores ensinaram os cinco chimpanzés adultos a andar em esteiras. Eles andavam em posição vertical sobre suas pernas traseiras e de quatro

Os testes de locomoção mostraram que andar na posição vertical parece ser benéfico porque economizava energia.

O que pareceu ainda mais interessante, porém, foi que a quantidade de energia gasta pelos chimpanzés variou entre eles. Um chimpanzé usou menos energia sobre duas pernas do que andando de quatro. Outro usou a mesma quantidade nas duas posições, e os outros três usaram mais energia ao andarem sobre duas pernas. As variações foram atribuídas à maneira como os chimpanzés andavam e às diferenças na estrutura corporal.

Os resultados do experimento demonstram como o gasto de energia contribuiu para a evolução humana. Os antigos humanos que se adaptaram a gastar menos energia andando em posição vertical estão representados no registro fóssil. Os fósseis mostram que alguns humanos antigos desenvolveram pernas mais longas, estruturas de quadril diferentes ou ossos da perna mais grossos, que estão de acordo com os dos humanos atuais. Essas adaptações facilitaram a locomoção em posição vertical e diminuíram a quantidade de energia exigida para andar dessa maneira.

 

Outras teorias

Cientistas afirmam que andar sobre duas pernas foi uma das chaves para o desenvolvimento humano, desde os antigos ancestrais parecidos com macacos (em inglês). Andar sobre duas pernas economizava energia e permitia que os braços fossem usados em atividades como caçar, fazer ferramentas simples e interagir com objetos. Charles Darwin sugeriu há muito tempo que ter dois membros livres para usar ferramentas era um elemento-chave da inteligência avançada [fonte: National Geographic (em inglês)]. macaco2

Uma teoria sugeria que andar sobre duas pernas liberava os braços, que poderiam ser usados para pegar comida e levá-la para a família. Se um primata andava de quatro, ele não podia levar muita comida para a família nem se envolver em várias caçadas ou expedições à procura de alimentos. Era necessário usar menos energia para sustentar uma família se o macho pudesse andar em posição vertical e voltar para sua parceira e filhos com comida suficiente para todos eles. Então, a fêmea poderia ficar com seus filhos e cuidar deles, garantindo sua saúde e proteção contra predadores.

Uma segunda teoria sugeria que os hominídeos começaram a andar em posição vertical enquanto viajavam pela água. Os chimpanzés fazem isso hoje em dia, ficando sobre suas pernas traseiras para atravessar um lago ou riacho.

Ainda uma outra teoria sugeria que nossos antigos ancestrais ficavam sobre suas pernas traseiras para se refrescar. Em posição vertical, eles expunham menos partes de seus corpos ao sol.

Mudanças de hábitat e de condições ecológicas podem ter um efeito surpreendente no comportamento animal, algumas vezes obrigando espécies a se adaptar, fugir ou morrer. Alguns pesquisadores acreditam que, há milhões de anos, um clima quente e o declínio dos hábitats nas florestas significou que nossos ancestrais tiveram de realizar viagens mais longas para encontrar comida. Andar sobre duas pernas fazia com que essas jornadas fossem menos exigentes. Uma possibilidade relacionada é que a mudança de clima obrigou os primatas a viverem basicamente no chão, em vez de ficarem em árvores e copas das florestas. As fontes de alimento se tornaram mais abundantes no chão, onde os primatas teriam uma vantagem se andassem sobre duas pernas.

A última teoria afirma que nossos ancestrais nunca tiveram de deixar as árvores para aprender a andar sobre duas pernas. Em vez disso, eles aprenderam enquanto ainda viviam acima do solo. Os orangotangos apresentam uma analogia moderna, já que costumam ficar sobre duas pernas nos galhos de árvore e se segurar em outros galhos com seus membros dianteiros para permanecerem equilibrados.

Prof. Cândido

3 Respostas

  1. MUITO LEGAL ADOREI COLOQUE+ VIDEOS

  2. Oi Candinho,muito bacana esse texto.
    até a aula : )

  3. nossa candinho
    é muito interessante
    Bjjjjj : Bruna

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: